Mini (1959-1996)


Em 1956 surgiu o primeiro alerta sobre a crise do petróleo. Referimo-nos a crise do canal do Suez e a resultante falta de combustível em Inglaterra, crise esta que não passou despercebida na indústria automóvel. A BMC a maior industria automóvel local avançou com um projecto sugerido por Alec Issigonis, o criador do Morris Minor, um homem de ideias simples mas eficientes.
Uma carreira brilhante na competição
Uma carreira brilhante na competição


O seu novo projecto consistia na concepção de um pequeno carro que não só fosse eficiente em combustível mas também em termos de espaço. Trabalhando com um pequeno grupo de trabalhadores dentro da BMC e dependendo de algumas ajudas externas, Issigonis iniciou o projecto em finais de 1956 e em Setembro de 1959 o fruto do seu trabalho era anunciado na linha de produção nas duas maiores fabricas da empresa. No primeiro trimestre de 1959 saíam da linha de montagem aproximadamente 20.000 unidades e no ano seguinte, 1960, o volume de produção subiu para as 116.000 unidades. Tratava-se do Mini, um carro que mudou para sempre a história do automóvel.

Foi em Agosto de 1959 que o veículo foi apresentado, primeiro à imprensa e depois ao público, como Morris 850 ou Austin 7. Causou um impacto difícil de imaginar, pois quebrou com todos os aspectos tradicionais.
Uma nova estética
Uma nova estética


Primeiro era incrivelmente pequeno, com um comprimento de apenas 3,05 metros ainda conseguia transportar 4 adultos e a sua bagagem, a combinação da tracção dianteira com a implantação transversal do conjunto Motor - Caixa de velocidades, permitia aumentar para 80% a dimensão longitudinal reservada ao habitáculo. Segundo, numa época em que os modelos familiares ainda tinham eixos rígidos atrás, o Mini possuía uma suspensão independente nas 4 rodas. Terceiro, a suspensão não tinha molas de metal, mas borracha sob compressão. Quarto, a tracção era dianteira. Quintos, as rodas tinham apenas 2/3 das adaptadas pelos veículos familiares da época, as pequenas rodas de 10 polegadas. Sexto, o motor surgiu em posição dianteira transversal. Sétimo, o motor e a caixa de velocidades faziam parte de uma só unidade.

E seria possível continuar uma lista interminável que explicam a razão pela qual o mini teve tanto impacto. Mas só esquecendo as características técnicas é que se descobre a sua principal "arma" , era super divertido de guiar!!
era super divirtido de guiar...
era super divirtido de guiar...

O mini foi um êxito imediato, não só para a BMC, mas também para toda a Inglaterra. A sua crescente popularidade coincidiu com os "loucos" anos 60 e ficou ligado a nova imagem do país, assim como os Beatles e os Rolling stones. Auxiliado por John Cooper, o homem que introduziu os motores traseiros na F1, o modelo evoluiu como Mini cooper e iniciou uma carreira brilhante na competição.
Mini em acção em Monte Carlo 1964 com Paddy Hopkirk e que venceu
Mini em acção em Monte Carlo 1964 com Paddy Hopkirk e que venceu
Monte Carlo 1965 com Timo Makinen
Monte Carlo 1965 com Timo Makinen

Entre 1964 e 1967 ganhou em Monte carlo 3 vezes. Passados 40 anos de novas modas, o seu memorial continua - chama-se Mini, e todos os carros do mundo com tracção à frente devem-lhe algo...
Catálogo da època
Catálogo da època
Catálogo da època
Catálogo da època
 MINI usado pela Policia Londrina
MINI usado pela Policia Londrina
O ùltimo MINI Fabricado
O ùltimo MINI Fabricado
© 2004-2020 InterClássico. Todos os direitos reservados. Cookies