Fiat Nuova 500 (1957-1975)



A primeira geração do Fiat 500 foi produzida entre 1936 e 1948, mas em meados da década de 50, a marca de Turim reconheceu a necessidade de o substituir. Ainda havia muitos potenciais compradores italianos que necessitavam de um carro que pudesse proporcionar uma forma básica de transporte para uma pequena família. Paralelamente, as dimensões eram ideais para as deslocações em percursos urbanos. O “Nuova 500“ foi lançado então em 1957.
forma básica de transporte para uma pequena família.
forma básica de transporte para uma pequena família.
As semelhanças entre o primeiro 500 e o “Nuovo” ficavam pelas dimensões. Ao contrário do seu antecessor, o motor estava montado atrás. Refrigerado a ar, este bloco com 479c.c. de cilindrada debitava 13 CV e utilizava uma caixa de quatro velocidades. O motor montado bem na traseira do automóvel permitiu aos “designers” da equipa tornar o 500 num verdadeiro quatro lugares. A parte dianteira destinou-se apenas a albergar o pneu sobressalente, restando ainda algum espaço para carga.


Os princípios do “Nuova “eram ser pequeno eficiente e equipado com uma tecnologia actual. Tinha uma suspensão independente nas quatro rodas e uma carroçaria de duas portas. Uma das novidades na construção da carroçaria foi a utilização de folhas em aço prensadas. Algo bastante comum hoje em dia, mas em 1957 o 500 foi pioneiro.
Não tendo grelhas nem cromados inúteis o 500 é um belo exemplo do estilo italiano. Nos primeiros modelos a ventilação fazia-se apenas através da capota em lona, que abrias ate a parte superior da janela de trás, e dos ventiladores que se encontravam a frente das janelas das portas.


Entretanto, a versão berlina serviu de base a um modelo desportivo que estava equipado com um motor de 499,5c.c. de cilindrada, com 21 CV de potência.
as entradas de ar integradas no pilar traseiro.
as entradas de ar integradas no pilar traseiro.

Em 1960, a cilindrada da versão carro de série foi aumentada para 499,5c.c. proporcionando um pouco mais de potência.
Ainda em 1956 um novo modelo foi introduzido na gama 500: a carrinha “Giardiniera”. Manteve os quatro lugares da berlina, mas atrás deles, uma extensão de tejadilho cobria uma bagageira muito espaçosa.
Giardiniera , uma bagageira muito espaçosa.
Giardiniera , uma bagageira muito espaçosa.

Para proporcionar ainda mais capacidade de carga, os dois bancos de trás podiam ser reclinados para a frente e fornecerem uma área plana capaz de transportar até 200 quilos.
Outra característica inovadora desta carrinha situou-se, precisamente, na criação de um fundo plano destinado a assegurar essa maior capacidade de carga. Para tal, foi necessário conceber um motor novo para a carrinha.
Em lugar de um bloco de dois cilindros em linha, a Giardiniera era equipada com um motor de dois cilindros horizontais opostos. Tal como os motores montados nas berlinas, tinha uma capacidade de 499c.c. de cilindrada, continuando a ser refrigerado a ar. O seu posicionamento levantou vários obstáculos à equipa técnica. No entanto, se olhar para um Giardiniera, verá como essa situação foi ultrapassada de uma forma elegante: por exemplo, as entradas de ar integradas no pilar traseiro.
O nuova 500 manteve-se em produção até 1975, altura em que tinham sido construídos 3 679 000 exemplares.
Existem Fiat`s 500 em todos os estados
Existem Fiat`s 500 em todos os estados
© 2004-2020 InterClássico. Todos os direitos reservados. Cookies